sábado, 15 de dezembro de 2018

Fomos Voar - 15/09/2018


            Lisboa 15 de Setembro de 2018
Despertamos calmamente pelas 08:30, numa profunda ansiedade em relação ao dia e ao que nos esperava.
Às 09:15 entramos numa acolhedora pastelaria lisboeta, e deliciamo-nos com a famosa bica e o ainda mais pastel de nata.
Entretanto, lá fomos nós de encontro ao nosso Piloto, o Comandante Nuno Costa, que pelas 10:30 nos brindou com um caloroso sorriso, como que a nos tranquilizar para o momento que se aproximava.
Pelo caminho, e dado a fome avassaladora que nos perseguia, fomos “obrigados” a parar no MacDonald’s para digerir um pequeno-almoço reforçado.
Cerca das 12:15, depois de uma breve e agradável paragem em Carcavelos, com direito a um relaxante passeio junto ao mar, chegamos ao Aeródromo Municipal de Cascais, onde pelas 12:25 iniciámos os procedimentos para acesso à Zona Ar do Aeródromo.
Almoçamos no Restaurante do Aeródromo, e pelas 13:45, enquanto tomávamos a bica da praxe, fizemos um pequeno briefing sobre a rota, sobre o alternante e outros aspectos importantes do nosso voo.
Às 14:00 e com os nervos à flor da pele, entramos na Zona Ar do Aeródromo de Cascais, no qual se encontrava estacionado o pequeno Cessna 152 com a matrícula G-CIJS.
De seguida, e seguindo o manual de procedimentos, o Comandante Nuno procedeu à verificação da documentação necessária para que o voo fosse autorizado e procedeu ao Pre-flight check.
Entramos no pequeno 152 e uma agradável sensação de missão quase cumprida, percorreu-nos o corpo, de tal forma que o tempo pareceu querer parar, o que infelizmente não aconteceu.
Cumpridas as formalidades necessárias, e ao som de Clear Prop, cerca das 14:55 o engasgado motor do Charlie India Juliet Sierra ganhou vida, e as rotações estabilizaram como que a adivinhar que todas seriam necessárias para a nossa descolagem, o que veio a acontecer minutos depois de alinharmos na Pista 17.
Take off trust set, airspeed alive, e lá fomos nós de encontro aos 55 nós necessários para que Homem e Máquina se confinassem num só sonho há muito procurado. Voar.
A rotação foi feita de forma suave levando o nariz do pequeno 152 a elevar-se nos céus em direcção ao Cabo da Roca, onde nos esperava uma densa camada de nuvens que nos obrigou uma pequena alteração de planos.
Afinal, voar não é assim tão simples, excepto para aqueles seres vivos que nasceram com esse dom e preparados para encarar o Mundo dum plano superior.
O regresso antecipado deu-se pelas 14:25, quando o trem de aterragem do Cessna rosnou ao tocar no solo, rolando tranquilamente para o local onde havíamos saído.
E prontos. Passou tudo tão rápido que mal tivemos tempo de desfrutar todos os momentos.
Mas o ciclo da vida é mesmo assim, composto por momentos contínuos e impossíveis de repetir da mesma forma e feitio.
O nosso especial agradecimento ao Comandante Nuno Costa, por nos ter dado a oportunidade e a honra de nos levar a voar através das suas mãos.











sábado, 1 de dezembro de 2018

1º de Dezembro turbulento

    O 1º de Dezembro foi pródigo no que diz respeito às aterragens em LPFL, e o Spotting a Ocidente esteve lá para as registar.
   Com ventos de rajada  na ordem dos 30 nós, cerca de 55 km/h, os pilotos da SATA provaram de que fibra são feitos.
  As duas aterragens do Q200 e uma do Q400, demonstram bem o quão difícil é voar nestas ilhas de bruma.

domingo, 18 de novembro de 2018

2018 VINCI Airports Spotters Day - LPFL

     Um agradecimento especial à VINCI Airports pela organização do evento, ao Marco Henriques pela forma calorosa e profissional com que nos acolheu e à simpática tripulação do CS-TRG na pessoa do Comandante Rego, por terem proporcionado uma manhã diferente ao Spotting a Ocidente. 








quinta-feira, 12 de abril de 2018

CS-TRB - Incidente na ilha do Corvo

   Segundo o site "The Aviation Herald", o Dash 8 Q200, CS-TRB da SATA, sofreu no dia 11/04/2018 um incidente ao aterrar no Aeródromo do Corvo (LPCR).
   Tendo em conta a publicação daquele site, a aeronave aterrou com demasiada força, efectuando  uma "hard landing" e subsequente "bouncing", que provocaram danos no trem de aterragem esquerdo e derrame de liquido hidráulico.
   Como resultado, a aeronave necessitou de efectuarhttp://avherald.com/h?article=4b738690&opt=0 o voo entre a ilha do Corvo e ilha das Flores sem passageiros e com o trem de aterragem aberto, aguardando a chegada de uma equipa de técnicos que viajaram noutra aeronave da companhia, tendo sido sujeita às reparações necessárias no Aeroporto das Flores (LPFL) para regressar ao Aeroporto de  Ponta Delgada (LPPD).
   O CS-TRB descolou do Aeroporto das Flores cerca das 10H do dia 12/04/2018.


Foto retirada do site "The Aviation Herald" 

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

sábado, 6 de janeiro de 2018

Dash 8 Q200 Bounced Landing LPFL - 02/01/2018

Para os mais rudes:

A actividade do Spotting a Ocidente não se prende com uma boa ou má publicidade do que quer que seja.

Este é um espaço dedicado exclusivamente à aviação,e as filmagens/fotos do Spotting a
Ocidente têm o único objectivo de dar a conhecer ao Mundo, um pouco do que se passa na ilha das Flores, e algumas vezes na vizinha ilha do Corvo, a nível de aviação.

Em momento algum a publicação destas imagens, principalmente aquelas que apresentam aterragens difíceis, em condições climatéricas adversas, propõem-se a trazer uma má publicidade à ilha das Flores, ou provocar que existam mais cancelamentos.

Má publicidade é querer visitar a ilha das Flores e não conseguir porque os voos estão cheios e não há outra forma de o fazer.

Má publicidade é visitar a ilha das Flores e não existirem estruturas suficientes para acolher aqueles que escolhem este Paraíso para desfrutar dias de descanso, ou até mesmo de trabalho.

Má publicidade é tudo o que poderia estar melhor na ilha das Flores, mas que por inércia de uns e casmurrice de outros, continua a ser descurado de uma forma evidente.

O que o Spotting a Ocidente faz, é dar a conhecer a árdua tarefa que é ser piloto/tripulante
de avião no arquipélago dos Açores, neste caso em concreto no Aeroporto das Flores.

Por isso, meus amigos, seguidores e afins do Spotting a Ocidente, não escolham este meio de divulgação como sendo o bode expiatório de tudo o que de mal se passa nesta ilha, escolham antes aqueles que tem competências na matéria de gerência do bem público/privado.
Deixo-vos aqui as filmagens do SP 542, também do dia 02/01/2018.
Bem hajam.
Bruno Filipe Carvalho Pinheiro da Costa